Obesidade e saúde 

12/08/2019

a obesidade é uma condição do corpo caracterizada pelo excesso de acúmulo de gordura sob a pele e em volta de alguns órgãos internos, enquanto sobrepeso é pesar mais que o ideal para a idade, sexo e altura. Sobrepeso não necessariamente implica excesso de gordura. Pessoas como atletas, fisiculturistas podem ter sobrepeso e não serem obesos.

A obesidade é fator de risco para uma série de doenças. O obeso tem mais propensão a desenvolver problemas como hipertensão, doenças cardiovasculares, diabetes tipo 2, entre outras. 

São muitas as causas da obesidade. O excesso de peso pode estar ligado ao patrimônio genético da pessoa, a maus hábitos alimentares ou, por exemplo, a disfunções endócrinas. Por isso, na hora de emagrecer,  procure um especialista. 

Sintomas de Obesidade

Para o diagnóstico em adultos, o parâmetro utilizado mais comumente é o do índice de massa corporal (IMC).

O IMC é calculado dividindo-se o peso do paciente pela sua altura elevada ao quadrado. É o padrão utilizado pela Organização Mundial da Saúde (OMS), que identifica o peso normal quando o resultado do cálculo do IMC está entre 18,5 e 24,9. Para ser considerado obeso, o IMC deve estar acima de 30. 

Calculadora de IMC HTML
Peso (em Kg)

Altura (em Cm)




IMC

Avaliacao do IMC


Condições associadas a obesidade

A obesidade é fator de risco para uma série de doenças ou distúrbios que podem ser:

Hipertensão arterial

Aumento dos triglicéride

Doenças cardiovasculares

Aumento do colesterol

Doenças cérebro-vasculares

Diminuição de HDL ("colesterol bom")

Diabetes Mellitus tipo 2

Aumento da insulina

Câncer

Intolerância à glicose

Osteoartrite

Distúrbios menstruais/infertilidade

Pedras na vesícula

Apneia do sono

Assim, pacientes obesos apresentam severo risco para uma série de doenças e distúrbios, o que faz com que tenham uma diminuição muito importante da sua expectativa de vida, principalmente quando são portadores de obesidade mórbida.

Tipos de Obesidade

Conforme a magnitude do excesso de peso pode-se, de acordo co o IMC, classificar o grau de obesidade do paciente em: obesidade leve (classe 1 - IMC 30 a 34,9 kg/m2), moderada (classe 2 - IMC 35 a 39,9 kg/m2) e grave ou mórbida (classe 3 - IMC ≥ 40 kg/m2). Essa classificação é importante na escolha do tipo de tratamento, quando deve ser clínico ou cirúrgico.

Como tratar a obesidade

A base do tratamento são mudanças no estilo de vida, como dieta e exercícios.

Independente do tratamento proposto, a reeducação alimentar é fundamental, uma vez que, através dela, reduziremos a ingestão calórica total e o ganho calórico decorrente. Esse procedimento pode necessitar de suporte emocional ou social, através de tratamentos específicos (psicoterapia individual, em grupo ou familiar). Nessa situação, são amplamente conhecidos grupos de reforço emocional que auxiliam as pessoas na perda de peso. 

É importante considerar que atividade física é qualquer movimento corporal produzido por músculos esqueléticos que resulta em gasto energético e que exercício é uma atividade física planejada e estruturada com o propósito de melhorar ou manter o condicionamento físico. 

Tratamento Medicamentoso para obesidade

Existem poucas opções medicamentosas liberadas para ajudar no tratamento no Brasil. A indicação de se associar medicamentos ocorre quando há dificuldade de perda de peso somente com a mudança do estilo de vida ou quando existe necessidade de ajudar a tratar certos comportamentos alimentares, associados principalmente a alterações emocionais. 




Fonte: https://www.endocrino.org.br

             https://centrodeobesidadeediabetes.org.br